Com Erika Hilton, 1ª Feira Trans de SP discute empregabilidade de pessoas trans

0

Evento faz parte da programação da 5ª edição da Marcha do Orgulho Trans de São Paulo

A Primeira Feira Trans de Empreendedorismo, Inovação e Empregabilidade acontece no dia 12 de junho às 16h.

Aliados à vereadora Erika Hilton (PSOL), o Instituto [SSEX BBOX] e a Consultoria [DIVERSITY BBOX], promovem o evento que tem como objetivo discutir a importância da empregabilidade e a formação em diversidade pelas empresas. Seu enfoque se encontra em um grupo de empresas associadas e aliadas da Marcha do Orgulho Trans, em união com os esforços e atuações de Hilton no poder legislativo municipal.

A feira faz parte da programação da 5ª edição da Marcha do Orgulho Trans de São Paulo (2022), maior evento de protagonismo de travestis, pessoas transgêneros binárias e não binárias da América Latina, que ocorre entre os dias 3 a 24 de junho, em formato híbrido, com eventos presenciais e online. Personalidades como Angelica Ross, Dominique Jackson, Erika Hilton, Pri Bertucci, Majur, Nick Cruz, Bixarte, Cidão Furacão e Danny Bond estão entre as pessoas convidadas.

Leia também: STF adia pela terceira vez julgamento sobre marco temporal de terras indígenas

“Essa parceria com Erika Hilton vem consolidar ainda mais o fato de que pessoas trans não estão sendo incluídas nos espaços onde o poder econômico é gerado. Empregabilidade trans é uma peça central no debate sobre o futuro do trabalho”, explica Pri Bertucci, pessoa trans não binária, idealizadora da Marcha Trans, CEO da [DIVERSITY BBOX], consultoria especializada em diversidade e equidade e fundadora do Instituto [SSEX BBOX].

Empresas que se comprometerem com a contratação de pessoas trans receberão da [DIVERSITY BBOX] um selo de empresa aliada à causa, além de formação para os setores de Recursos Humanos, DE&I (diversidade, equidade e inclusão) e ERG’s (grupo de afinidades formados por pessoas colaboradoras de qualquer área da empresa).

Leia também: Rainha Elizabeth II se sente mal em desfile do Jubileu de Platina

A vereadora que investiga a qualidade de vida e as violências contra a comunidade trans na #CPIdaTransfobia, pretende também institucionalizar o Selo Municipal da Igualdade Trans como incentivo às empresas que se comprometerem com o esforço para a inclusão de pessoas trans e travestis no mercado de trabalho.

O projeto oferece benefícios fiscais progressivos para empresas que tenham ao menos 2% de pessoas trans e travestis contratadas. Caso apresente um plano de carreira estruturado para pessoas trans vigentes por três anos na empresa, por exemplo, pode chegar a uma isenção integral do IPTU.

De acordo com projeções apresentadas na proposta, há um potencial de criação de mais de 200 mil vagas, o que poderia empregar toda a população trans na cidade de São Paulo.

Cultura.UOL

Compartilhar.

Sobre o Autor

DEIXE UM COMENTÁRIO

Athosgls 21 anos fazendo a diferença na comunidade LGBT Mundial. Marca registrada.