A vida é dura como refugiado gay

0

by Geoffrey Kasenene

Quaisquer opiniões expressas neste artigo são do autor e não da Thomson Reuters Foundation.

Geoffrey Kasenene, um refugiado ugandense que vive no Campo de Refugiados de Kakuma, no noroeste do Quênia.

Eu sou um homem de Uganda que vive no Campo de Refugiados de Kakuma, no noroeste do Quênia, onde estou buscando asilo.

Tenho 23 anos, o segundo filho de pais que não aceitaram ou reconheceram minha orientação sexual.

Acabei ficando sem teto até ser ajudado por um padre católico junto com meu amigo transgênero Gideon.

Já faz quatro ou cinco anos desde a última vez que vi minha família, mas isso parte meu coração, pois ainda sinto sua rejeição, e não parece importar tudo o que sinto falta deles.

Vim morar no acampamento depois que meu amigo Gideon morreu, e o padre católico que estava cuidando de nós enfrentou ameaças de morte devido à “Lei Matar os Gays”, uma lei anti-gay que o Uganda tentou aprovar em 2014.

A vida no campo de refugiados tem sido muito desafiadora com muitos problemas diferentes.

Há uma crise alimentar à medida que as rações mensais estão sendo cortadas. Eu enfrento problemas com os outros membros do que é uma comunidade frequentemente hostil no campo. O alojamento é pobre e quando chove as inundações da minha tenda. A polícia não ouve, particularmente quando eu tentei denunciar ter sido atacada, e eu enfrento discriminação de muitos serviços, mas nenhuma das organizações está fornecendo apoio ou ajuda.

Meu plano seria sair do acampamento se tiver uma chance de reinstalação em um país menos homofóbico. Estou à procura de um emprego para poder perseguir meus sonhos também tentando viver feliz como uma pessoa gay.

Espero buscar asilo na África do Sul, já que não é tão longe quanto outros países onde os gays são bem tratados. O problema que tenho é tentar encontrar fundos para pagar minha viagem por lá.

Seria um processo longo – mas tudo o que preciso é a taxa para a viagem e atravessar a fronteira. Espero conseguir meus documentos assim que chegar ao país, quando mostrar às autoridades os documentos que tenho do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados no Quênia.

Eu não sinto falta de Uganda em tudo. Enfrentei muitos desafios quando estive lá: rejeição da família, o que me dói o tempo todo; sem proteção desde a “Matar o Gays Bill”; e há muitas maneiras de alguém ser morto se a sua sexualidade for descoberta – ou você pode ser condenado a muitos anos de prisão.

A situação no campo como um refugiado LGBT + é tão terrível quanto você pode imaginar.

Enfrentamos passar fome, já que o suprimento de alimentos está sendo reduzido. Não importa que outros grupos de refugiados enfrentem os mesmos problemas, eles têm um ambiente mais livre e direitos para encontrar comida adicional através de suas oportunidades de emprego dentro do campo em geral.

As pessoas LGBT + enfrentam discriminação econômica e social que outras não.

A vida é muito difícil para mim.

Matéria original ‘News Trust’.

Tradução Google Translate.

 

 

Compartilhar.

Sobre o Autor

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Athosgls 21 anos fazendo a diferença na comunidade LGBT Mundial. Marca registrada.