Thales Alves é o primeiro homem trans a participar do MasterChef profissional

0

Na estreia do show de talentos gastronômico, Thales superou primeiro desafio e venceu disputa com a sobremesa Romeu e Julieta.

A estreia da terceira edição do MasterChef Profissionais 2018 trouxe o primeiro homem transexual como participante. O professor de gastronomia Thales Alves encarou o desafio de sobremesas. Para seguir na competição, o profissional utilizou queijo gorgonzola e eliminou outro participante da disputa. Thales frisou a expectativa de que sua participação sirva como exemplo e inspiração para outros profissionais transexuais.

Em entrevista ao Portal da Band, Thales pontuou que a reafirmação como uma pessoa trans é uma forma de incentivar as pessoas a saírem de dentro da cozinha e chefiarem. “Tem muito empregador que deixa o cara ou a mina transexual como sous-chef. Entra chef, sai chef e eles não podem ser a cara do restaurante”, destacou.

“É para quebrar mais uma barreira de preconceito; para mostrar que (a cozinha) é um lugar muito seguro de trabalhar; para que as pessoas e esses empregadores tenham a ciência de que pessoas trans podem ter sim a cara do restaurante”,afirmou o candidato sobre sua participação na competição de talentos.

Thales é fã da chef argentina e jurada do programa, Paola Carosella. A admiração cresceu após o profesor conhecer o projeto Cozinha & Voz, ação conjunta entre Paola, Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), que capacita travestis, mulheres e homens transexuais como auxiliares de cozinha.

“Ela foi muito criticada quando iniciou o projeto com pessoas travestis e transexuais e eu quero muito mostrar para o mundo o quanto dá certo dar uma oportunidade para essas pessoas”, declarou ao elogiar a jurada e o trabalho desenvolvido com pessoas vulneráveis.

Disputa
No desafios de sobremesas, Thales venceu seu oponente, o confeiteiro profissional  Franklin Bin. Thales montou a sobremesa romeu e julieta. “Eu não trabalho com confeitaria, mas dou aulas sobre o tema na faculdade na qual eu trabalho. Para mim, foi uma surpresa um duelo de confeitaria porque eu não tenho tanto contato assim”, declarou ao portal.
Ao fazer duas montagens para apresentar, o candidato afirmou que escolheu o menos feio para poder entregar. Por não ter costume de cozinhar, o candidato relembrou dos doces feitos em casa para disputar com o oponente, que, na avaliação dos jurados, deixou a desejar no sabor da sobremesa. Para o júri, o sabor de manteiga estava mais apurado que o de açúcar.
“O Franklin é um profissional exímio no que ele faz. Ele teve azar no dia de não ter açúcar e usar muito ágar-ágar, que dá um gosto de manteiga. Aí, os chefs falaram que ficou um gosto amanteigado demais e sem açúcar. Então, eu consegui a vitória em cima disso”, concluiu.
Thales Alves, primeiro homem trans participante da competição gastronômica, vence duelo e segue na competição profissional da Band (Foto: Carlos Reinis/Band)
Compartilhar.

Sobre o Autor

Comments are closed.