A quarta onda do feminismo e o mundo gay se estranham

0

A briga pelas barrigas de aluguel fez aflorar antigos e novos atritos entre o coletivo homossexual e o movimento da mulher.

O feminismo e o mundo gay, antes companheiros de viagem, hoje estão se estranhando. Muitos já sabem, mas nem todos querem reconhecer publicamente. Não se trata apenas da questão das barrigas de aluguel, apesar de esse assunto ter aberto uma lacuna que não se fecha – no caso, só aumenta. O que já se reconhece como quarta onda do feminismo – aquela que atualmente leva à rua milhões de mulheres, organiza o revolucionário MeToo, tenta mudar a política, abraça a ecologia e rejeita o capitalismo em sua versão mais dura – é uma onda que não se compadece de certos comportamentos do mundo gay. E fica chocada com algumas formas de vida do G de LGBTI.

Nos últimos anos, algumas feministas viravam a cara diante da ostentação do carro alegórico que defendia a liberação das barrigas de aluguel na parada do Orgulho Gay de Madri. Uma prática, a mercantilização do corpo da mulher, que em boa medida irrita o feminismo. “O que nós, feministas, podemos fazer com esse orgulho de mercado? A quarta onda do feminismo é marcadamente anticapitalista, muito crítica com o neoliberalismo como fonte de desigualdade e exploração inesgotáveis. Não se trata só das barrigas de aluguel. O mercado tem uma capacidade infinita de articular as demandas patriarcais: barrigas, prostituição, pornografia, a indústria do sexo em geral. E teve a mesma capacidade e rapidez para satisfazer as dissidências sexuais”, afirma a feminista Rosa Cobo Bedia, professora de Sociologia de Gênero da Universidade de La Coruña.

“Para o feminismo radical, falta a certos gays, nem todos, uma reflexão profunda sobre a igualdade de gênero. Isso já acontece há anos. Eles estavam mais associados ao mundo heterossexual e o feminismo preconiza mudanças entre iguais, quer combater os papéis de gênero e a supremacia masculina”, diz Luz Sanfeliu, militante feminista e professora da Universidade de Valência.

Nessa supremacia masculina em que também se detêm certos gays, há quem saia à rua em julho em uma manifestação paralela e minoritária chamada de Orgulho Crítico, mais ao gosto de algumas feministas. “O patriarcado está instalado no coletivo gay. Muitos são machistas, e eu sei disso porque sou ativista LGBT e bissexual e me relaciono muito com eles. Não entendem o movimento feminista como o as mulheres entendem. Alguns também têm preconceito contra os gays afeminados. A masculinização física é a norma, se você sai disso não passa de um mariquinhas engraçado”, critica sem rodeios Javier Bujarrabal, colaborador do Orgulho Crítico. “Muitos gays não fizeram o caminho do feminismo. Com sua imagem musculosa, machona, às vezes desprezam os afeminados. E alguns não se relacionam com as mulheres se não for pela superioridade”, concorda Beatriz Gimeno.

Orgulho Gay em Madri em 7 de julho de 2018.
Orgulho Gay em Madri em 7 de julho de 2018. Getty Images

Qual a opinião sobre esse divórcio entre feminismo e mundo gay de Jesús Grande, presidente da Cogam, o coletivo gay de Madri? “Há um pouco de divergência, mas é só com o feminismo mais radical. Quanto à gestação de substituição chegamos a um certo acordo, mas não com todo o feminismo. Como coletivo somos totalmente a favor [dessa prática]”, reconhece. “Eu já atendi três casos e os três eram mulheres. Os que são contrários estão muito mal informados”, garante. Sobre as propostas do Orgulho Crítico, sustenta que colaboram com eles em algumas atividades e que “em algumas coisas têm razão”.

Quando se pergunta às ativistas vinculadas desde sempre ao feminismo, a opinião é bem diferente. Uge Sangil não acredita que o movimento LGBT tenha se posicionado abertamente em favor das barrigas de aluguel. Também não são todos os gays que têm essa opinião. “Eu sou contra as barrigas de aluguel. Também sei de algumas polêmicas entre o feminismo e os grupos LGBT, mas acho que nossa luta é hereditária do movimento das mulheres. É verdade que alguns setores do feminismo são transfóbicos”, afirma Toni Poveda, ativista LGBT histórico. Mas reconhece que “o machismo e a misoginia impregnam toda a sociedade”, inclusive os gays. “Isso sempre aconteceu, agora está se exacerbando. Meu objetivo sempre foi a transversalidade do feminismo”, acrescenta.

Sangil, presidenta da FELGBT, a federação nacional, reconhece que existe um mal-estar – mas não acredita em um racha entre o movimento feminista e o coletivo LGBTI. Talvez um “abalo sísmico”. E ela situa o epicentro em outro assunto: o sujeito político do feminismo, questionado também agora. Refere-se à divisão entre algumas feministas e as mulheres transgênero, de onde afloram estranhas palavras que não existiam: cismulher, bifobia, transgênero, terf.

Cismulher (ou cishomem) é um termo que pretende diferenciar as mulheres das transexuais, para simplificar. Ou seja, quem nasceu mulher e está conforme com isso, daquelas que nasceram com genitais masculinos mas se entendem como mulheres. E dessa diferença nasce a sigla terf (trans-exclusionary radical feminist) com as quais se afirma as que discriminam as segundas ou não querem fazer parte do mesmo clube. Algumas feministas entendem que deslocar a mulher como objeto do feminismo prejudicará a causa.

Um programa de igualdade ou um assunto de diversidade

As feministas reconhecem que o movimento gay é forte e influente: “Tem cumplicidade nas instituições, nos partidos, na mídia; a lei do casamento na Espanha foi simultânea à da violência de gênero, por exemplo”, lembra Rosa Cobo. Mas o auge do feminismo nos últimos tempos parece tê-los diminuído. “Depois de compartilhar algumas metas comuns, o movimento gay fez suas conquistas e se tornou independente, enquanto o feminismo inundou a sociedade com um programa de igualdade que talvez agora seja o principal programa de progresso. O feminismo abrange tudo, inclusive os gays. Vão por caminhos paralelos, mas não distintos. E não vejo a necessidade de que sejam aliados”, diz Juan Sisinio Pérez, catedrático de História Contemporânea e autor de “História do Feminismo”.

Mas a verdade é que durante muito tempo andaram de mãos dadas. Ou uns se apoiaram nas outras, como pensa Rosa Cobo. Por exemplo, certas conquistas do feminismo que deram como resultado a criação das secretarias, secretarias da mulher, ou até um Ministério da Igualdade, se encarregaram finalmente do assunto global da “diversidade”, que também é uma questão de igualdade, mas diferente. Inclusive compartilhando recursos econômicos. “A mim me parece ótimo. Enquanto nós, feministas, ficamos para trás, o movimento LGBT avançou”, diz Uge Sangil, da Federação estatal de gays e lésbicas.

No entanto, seu colega Jesús Grande, da Cogam, acredita que mais do que divergências entre feminismo e gays é “o ativismo, em geral, que está sofrendo. Está paralisado e manipulado pelos poderes de fato”.

“Há uma parte do feminismo muito transfóbica, mas é porque não o conhecem. Sou crítica quanto a parte do discurso trans, mas não com elas. Por mais divergência que exista, não acredito que isso esteja nos colocando em perigo”, opina Beatriz Gimeno, atualmente deputada pelo Podemos na Comunidade de Madri, e ativista histórica pelos direitos LGBT.

Sexo e gênero

“O feminismo acolheu as trans e nos convidou a ir à manifestação de 8 de março”, lembra a ativista Carla Antonelli, irritada hoje porque algumas feministas, “não todo o coletivo”, se mostram contrárias às trans: “As terf”, afirma. “E negar as mulheres não é nada feminista”, acrescenta. Esse mesmo argumento é o que as feministas atribuem a certas transexuais.

Fato é que o sexo está permeando o movimento feminista. O que antes era patriarcado agora é heteropatriarcado. A questão de gênero como papéis atribuídos a homens e mulheres é agora uma questão de identidades sexuais. “Meus alunos só querem falar de gênero, de desejo, de sexualidade e esse debate foi vital para o feminismo nos anos sessenta, mas a liberdade sexual é só uma parte do feminismo, a igualdade é outra”, explica Isabel Morant, catedrática de História Moderna da Universidade de Valência. “A discussão sobre os debates de identidade sexual está muito na moda entre os jovens, é algo que vem do mundo estadunidense. Acreditam que os direitos já foram conquistados e muitos dos estudos feministas nos EUA tomam agora como objeto a identidade: negras, hispânicas… o corpo dá a medida de todas as coisas. As pessoas misturam cada vez mais os coletivos LGBT com o feminismo, que é muito mais amplo”, acrescenta Morant, que foi diretora da coleção Feminismos, da editora espanhola Cátedra.

Aí está outro dos obstáculos em que a aliança entre o coletivo LGBT e o feminismo encontram brechas. “O movimento gay, desde sua ata de fundação em Stonewall, em 1969, cresceu muito e rápido, com menos resistência social, sem dúvida, do que o feminismo. Para eles, o problema fundamental é a opressão sexual, as dissidências sexuais, a proliferação dos gêneros, a forma de viver a sexualidade. O feminismo é muito mais do que isso, as feministas fizeram essa luta pela emancipação sexual, junto com o coletivo LGBT”, analisa Rosa Cobo.

Efetivamente, gays e mulheres caminharam juntos por muito tempo. O patriarcado, que quer a mulher mulher e o homem homem, prejudicaram os dois da mesma forma. Por isso, não é por acaso que na Espanha a lei do casamento homossexual chegou com o primeiro presidente declarado abertamente feminista, José Luis Rodríguez Zapatero.

Mas a luta assumiu diversos matizes. E há quem defenda que alguns gays continuam sendo homens machistas. Ou que o machismo não é só coisa de héteros. “Eles, como homens, foram socializados com a ideia de que sua sexualidade é um direito e nós, não”, afirma Rosa Cobo. Certa hipersexualização ou a consideração de que o desejo sexual dos homens é diferente (e às vezes irrefreável) é uma recriminação que o mundo feminista faz com frequência aos homens, gays inclusive. “O movimento pela liberdade sexual foi tão forte que acabou impregnando tudo, até o ponto de que parte do feminismo o acusa de pacato. Vimos isso com o Me Too, que algumas feministas francesas acusaram outras de puritanas, mas acho que estão muito longe de sê-lo”, diz Morant.

Mercado rosa é outra das expressões que surgem na abordagem dessa dissociação entre o mundo lilás e o mundo multicor. Define a forma de vida elitista e sem freios de alguns gays. Bairros que foram humildes, quando não depauperados, e agora experimentam uma forte gentrificação. São elite.

“Não há um movimento social articulado como o feminismo, que existe há três séculos. E não há porque, em boa medida o venderam ao mercado”, critica Rosa Cobo, consciente de que suas palavras incomodam. Bujarrabal, do Orgulho Crítico, concorda: “Patrocínios, marcas, é o negócio do Orgulho Gay atual, muito comercial e capitalista. Em Chueca alguns poucos empresários gays dividem o território entre eles: hotéis, bares; se tornaram um parque de diversões”. Uge Sangil pondera: “Creio que esse mercado rosa é uma minoria. Nem todos os gays são capitalistas. Muitos jovens não têm nada”.

Nada em troca

Devemos à filósofa espanhola Celia Amorós o termo “relações ruinosas”, que define as causas para quem o feminismo prestou seu apoio sem receber nada em troca. Aconteceu na Revolução Francesa, que depois da revolta mandou as mulheres para a cozinha, ou com a abolição da escravatura, que de novo as deixou em cima do muro. Há mais exemplos do passado. Agora é a ecologia outra das grandes lutas do feminismo e há quem avise que se está pedindo à mulher mais do que se deve para a salvação do planeta.

“Sempre seremos aliadas das causas justas, mas o objetivo de muitos gays não é a emancipação da mulher, mas de seu conjunto. O feminismo é anticapitalista neoliberal, contrário ao sistema patriarcal e temos uma relação diferente com a sexualidade. Acredito que o movimento gay tenha se apoiado no feminismo. Foram nossos aliados, mas talvez a partir de agora não serão mais, ou só uma parte deles. A lacuna é um fato. Poderemos concordar em algumas coisas, mas não estabelecer alianças ruinosas”, diz Cobo.

Todos pisam em ovos. Dizem que qualquer divisão definitiva pode afetar a ambos. Carla Antonelli encerra: “Não vamos cair em falsas armadilhas e em debates ácidos e estéreis porque podemos partir para uma batalha campal. É preciso resgatar as alianças”.

Brasil El País

Compartilhar.

Sobre o Autor

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of