Pílula anti-HIV tem alta adesão entre gays, mas falha em alcançar trans

0

Pouco mais de um ano após ser incluída no SUS, a oferta de uma pílula diária para prevenir o HIV tem registrado boa adesão entre gays, ao mesmo tempo em que enfrenta dificuldade em alcançar outros grupos considerados vulneráveis ao vírus.

Dados do Ministério da Saúde, obtidos pela Folha, mostram que ainda há baixa procura da PrEP (profilaxia pré-exposição ao HIV) entre transexuais e jovens de 18 a 24 anos —​grupos com maior prevalência de HIV ou que registram aumento de casos de aids nos últimos anos.

A prevenção é composta pela associação dos antirretrovirais tenofovir e emtricitabina em uma só pílula de uso diário. Se o protocolo for seguido, a eficácia chega a quase 100%, o que a torna uma das principais apostas para conter o avanço da Aids, sobretudo em grupos de maior risco.

Fazem parte da lista gays, transexuais, profissionais do sexo e casais sorodiscordantes (nos quais um dos parceiros é soropositivo). A indicação segue critérios como número de parceiros e frequência de relações desprotegidas.

Do total de usuários de PrEP hoje no país, 82,7% são gays e HSH (homens que fazem sexo com homens, termo usado para designar aqueles que não se identificam como gays).

Outros 8% são mulheres cisgênero (que se identificam com o gênero designado ao nascerem) e 5,9% são homens cisgênero heterossexuais. Em contrapartida, apenas 3,2% são mulheres transexuais e 0,2%, homens trans, o que preocupa especialistas.

Hoje a prevalência do HIV na população geral é de 0,4%. Entre gays e homens que fazem sexo com homens, de 10,5%. Já entre transexuais o índice é de 31,2%.

“O que todos que trabalham com PrEP querem é que outras populações, além dos homens que fazem sexo com homens, também busquem os serviços”, afirma a especialista Adele Benzaken.

Responsável pela implementação da PrEP no SUS, Benzaken aponta outros desafios, como aumentar a parcela de usuários jovens, negros e de baixa escolaridade.

Hoje, a maior parte dos usuários são brancos e com mais de 12 anos de estudos. “Sabemos que o HIV cresce entre jovens de baixa escolaridade. É preciso ter projetos educativos sobre PrEP para essa população mais vulnerável.”

Para o infectologista Esper Kallás, o acesso por pessoas com mais informação é natural no início da oferta de novos serviços. “O que é mais importante: PrEP para pessoa com curso superior e conhecimento das formas de transmissão ou para o adolescente negro da periferia? Claro que todo mundo precisa, mas queremos chegar principalmente no segundo grupo.”

Em São Paulo, a expansão recente da oferta da PrEP para unidades localizadas em áreas periféricas tem colaborado para rever essas distorções, afirma Elza Maria Alves Ferreira, técnica do programa municipal de DTS/Aids.

“Na medida em que expandimos para a periferia começamos a ver expansão também para trans e gays com menor poder aquisitivo”, diz.

Para Tatiane Araújo, presidente da Rede Trans, o menor acesso de transexuais à PrEP coincide com o cenário de exclusão vivido por essa população. “Temos problemas em todas as áreas de saúde. Imagina com algo estigmatizado como o HIV”, diz ela, que defende horários ampliados de atendimento e divulgação direcionada.

Apesar de a PrEP ainda estar restrita a alguns grupos, especialistas veem de forma positiva os dados iniciais da oferta do método no SUS.

A previsão era que a profilaxia fosse ofertada para 7.000 usuários no primeiro ano na rede pública. Em 2018, 8.108 pessoas iniciaram o tratamento preventivo. Destas, 6.733 ainda o utilizam. A taxa de interrupção do tratamento foi de 11% em até 30 dias e 7% nos meses seguintes. Segundo Benzaken, o parâmetro é similar a dados internacionais.

De acordo com os especialistas, os dados de adesão à pílula, de uso diário, também estão dentro do esperado.

Há, porém, alguns impasses. Um deles é a resistência de alguns profissionais de saúde em oferecer o serviço.

Após iniciar o uso de PrEP há quatro anos como voluntário na pesquisa Prep Brasil, o programador Piero Mori, 35, passou por uma situação do tipo ao buscar a pílula em um local diferente após o fim do estudo em que participava.

“A PrEP ainda sofre preconceito imenso. Quando fui mudar de serviço, a assistente social falou de um jeito como se eu não devesse usar”, disse. “Como eu já tinha usado antes, sabia dos benefícios. Mas e se fosse um menino chegando pela primeira vez?”

Para ele, que hoje coordena um grupo no Facebook para tirar dúvidas de usuários, a pílula aumentou sua segurança. “Eu usava camisinha, mas sempre tem aquele momento em que você se empolga, vacila e descuida”, conta.

“Antes, vivia com medo que qualquer relação descuidada ia ser aquela em que eu ia contrair o HIV. Hoje em dia, nenhuma das minhas relações é seguida por aquele fantasma.”

Segundo ele, hoje o temor entre usuários é outro: descontinuação da política.

Neste ano, o método não foi citado na campanha de prevenção ao HIV no carnaval, focada apenas no estímulo ao uso da camisinha por homens jovens de forma geral, sem citação a gays.

Antes da troca de gestão, uma das ideias era usar a campanha justamente para ampliar a divulgação da PrEP para populações-chave.

Além disso, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, também tem dado sinais contraditórios em relação à profilaxia. Em alguns eventos, ele já disse que pretende mantê-la. Em outros, fez críticas.

“Acho que a PrEP pode e deve ser utilizada nas indicações corretas. Mas por outro lado acho que as pessoas se cansam um pouco de fazer todo um tratamento para poder ter um comportamento de risco. É tão mais simples você usar um preservativo e ficar livre do medicamento”, afirmou no fim de fevereiro.

Para Kallás, o argumento não se justifica. “Então vamos parar de distribuir camisinha, porque é o mesmo conceito: ter uma barreira ao HIV. Só que a PrEP é uma barreira farmacológica, com a vantagem de que não interfere no ato sexual.”

E quanto ao uso de camisinha? Em nota, o ministério diz que não há evidências conclusivas sobre uma possível redução ou aumento no uso dos preservativos devido à PrEP, preocupação frequente em debates sobre o tema.

Estudos têm apontado redução do uso de preservativos no Brasil de uma maneira geral. Segundo a pasta, no Brasil é de 19% a proporção de usuários de Prep que declararam não usar camisinhas nenhuma vez nos últimos três meses.

O ministério lembra que o método é aplicável justamente às pessoas que não fazem uso regular de preservativos.

Esse foi um dos fatores que levou Piero a recorrer a PrEP.

“Percebi que vinha abrindo mão da camisinha mais tempo do que deveria. Possivelmente hoje seria soropositivo se não fosse a PrEP.”

Em nota, o Ministério da Saúde informa que está em andamento uma licitação para compra de 4,4 milhões de comprimidos de PrEP para distribuição no SUS –um sinal de que a oferta da profilaxia, por enquanto, continua.

O QUE É E COMO FUNCIONA A PREP, QUE PREVINE O HIV

O que é a PrEP

Pílula composta pela associação entre os antirretrovirais tenofovir e entricitabina e indicada para pessoas com maior risco de exposição ao HIV. Deve ser tomada diariamente para garantir a eficácia, apontada em pesquisas como superior a 90%

A quem é indicada

O público-alvo são populações mais vulneráveis à infecção pelo HIV, como gays e outros homens que fazem sexo com homens, transexuais, trabalhadores do sexo e casais sorodiscordantes

Para indicação são levados em conta critérios como número de parceiros sexuais, episódios repetidos de ISTs (infecções sexualmente transmissíveis) e frequência de relações desprotegidas ou uso repetido de PEP (profilaxia pós-exposição)

Prep no SUS

8.108 é o número aproximado de pessoas que iniciaram o uso da Prep no SUS entre janeiro e dezembro de 2018

6.733 é o total daquelas ainda em uso de Prep até o fim do ano

Dados do perfil de usuários

Por grupo populacional

82,7% Gays e homens que fazem sexo com homens

3,2% Mulheres transexuais

0,2% Homens transexuais

8% Mulheres cisgênero (mesmo gênero do nascimento)

5,9% Homens heterossexuais cisgênero

76,9% têm mais de 12 anos de escolaridade

Outros dados

31% se declararam ter parceiro com HIV (união sorodiscordante)

9% se declararam como trabalhadores do sexo

12,4% já tinham usado Prep em estudos

Dados de adesão

De 6.733 usuários:

75% relatam ter tomado todos os comprimidos no último mês de atendimento

20% deixaram de tomar um a quatro comprimidos

4% deixaram de tomar cinco ou mais comprimidos

Taxa de abandono

1.375 é o número de usuários atendidos no SUS que descontinuaram o uso, ou 16,9%, destes:

855 interromperam antes de 30 dias

520 interromperam durante o acompanhamento (o que pode ocorrer quando o usuário entende que está menos exposto ao risco de HIV, com redução de parceiros, etc)

Onde encontrar a PrEP

109 serviços do SUS ofertam Prep, em 83 municípios

Veja lista em: http://www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/prevencao-combinada/prep-profilaxia-pre-exposicao

Fonte: Folha de S. Paulo

Compartilhar.

Sobre o Autor

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Athosgls 21 anos fazendo a diferença na comunidade LGBT Mundial. Marca registrada.