Segunda-feira, 29 de Maio de 2017
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
Mercado corporativo e de lazer LGBT
Políticos assumidamente homossexuais
Vila Real abre portas à 1a Marcha LGBT
Ensaio fictício mostra a vida de mulheres em clínicas de "cura gay"
O casamento gay já é realidade em Taiwan

Igreja católica da Idade Média realizava uma espécie de casamento gay

17/03/2017:

 

 

Segura Berenice, que lá vem treta: você sabia que a Igreja Católica já realizou uma espécie de celebração entre pessoas do mesmo sexo? Alguns textos escritos entre os séculos 8 e 14 compravam essa afirmação, apesar de a união não se chamar “casamento”, mas sim “fraternidade”.

Mesmo o nome sendo diferente, na prática era quase o mesmo que um casório. Dois homens se prostravam em frente a um altar, diante de um padre, para jurar que iriam compartilhar o pão, o vinho e as riquezas para o resto da vida. Os dois ainda colocavam a mão sobre o Evangelho para fazer seus votos e ainda terminavam a cerimônia com um beijo. Quer amor maior do que isso?

Os textos sempre se referem a casamentos masculinos, então não dá para ter certeza se as mulheres também tinha esse direito. É importante lembrar que elas não eram muito valorizadas naquela época, por isso relatar uma união entre mulheres pudesse ser pensado como algo dispensável.

 

Apenas relatos de uniões masculinos resistiram ao tempo

Casamento ou apenas contrato?

Agora, qual a real finalidade dessas uniões ainda é uma incógnita para os pesquisadores. Alguns acreditam que elas eram apenas uma forma de mostrar comprometimento perante a Deus em questões menos afetivas, como 2 irmãos que jurassem compartilhar uma herança de maneira justa, por exemplo.

Outros historiadores defendem que essa união estável era, sim, aquilo que consideramos o casamento gay nos dias de hoje. Para sustentar essa teoria, frases como “Uniram-se não pela natureza, mas pela fé” e “Irão se amar alegremente sem ferir o outro ou se odiar, todos os dias de suas vidas”, presentes nos textos, reforçam a ideia de que a tal “fraternidade” era muito mais do que um sentimento apenas fraterno.

Claro que alguns homens com parentesco fizeram essa cerimônia e possuem seus nomes registrados nos textos que sobreviveram ao tempo, provavelmente usando a celebração realmente como forma de um contrato de irmandade. Porém, a grande maioria dos casos era de homens solteiros sem nenhuma relação sanguínea.

Homens dividiam a vida com promessas de amor e benção da igreja

Por que acabou?

Acredita-se que a Igreja Católica tenha diminuído e posteriormente parado com essas cerimônias a partir do final do século 13. São Tomás de Aquino (1225-1274) foi um dos que criticava duramente as relações homossexuais, dizendo que o casamento deveria ser apenas entre um casal formado por homem e mulher que tinham o intuito de criar de filhos.

É importante lembrar que o catolicismo também sofreu fortes mudanças na Idade Média, então é possível que tenha sido redefinido nessa época o que deveria ser considerado casamento. E se a tal fraternidade era de fato um casório gay, a Igreja Católica enterrou as provas em um lugar muito profundo de onde dificilmente deverá ressurgir. Ou será que volta algum dia?

São Tomás de Aquino condenava as relação homoafetivas

 

 

http://www.megacurioso.com.br/religiao/102140-igreja-catolica-da-idade-media-realizava-uma-especie-de-casamento-gay.htm?utm_source=megacurioso.com.br&utm_medium=home&utm_campaign=tv

 

 

 

 

Comente esta matéria
Título: Igreja católica da Idade Média realizava uma espécie de casamento gay
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
Não há comentários.