Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
Ator de Modern Family vive romance gay em clipe
Conheça Kami Sid, a primeira modelo trans do Paquistão
Família LGBT negra estrela a coleção da Acne Studios
Flávia Alessandra entrega situação inusitada com filha: 'Acharam que era casal'
Orgulho em São Petersburgo marcado por detenções

Adotado por casal gay, menino se descreve "a criança mais feliz do mundo"

17/03/2017:

 

Garoto do interior de São Paulo foi adotado por dois pais após viver um ano e meio em orfanato

 

Uma bela história de adoção está ganhando repercussão nas redes sociais nesta semana. A professora de português de uma escola de Ferraz de Vasconcelos, interior de São Paulo, pediu aos alunos uma redação sobre como seria a vida do menino mais feliz do mundo. O pequeno João Vítor, de 11 anos, não hesitou: escreveu sobre como era feliz após ser adotado por dois pais, depois de viver por um ano e meio em um orfanato. 

A redação da criança é encantadora. Desde o dia 4 de março, o texto teve mais de 39 mil curtidas e 10,5 mil compartilhamentos no Facebook. Ao longo dos parágrafos, João Vítor, adotado pelo casal Fernando Luiz e Marcelo Pereira, conta que morava com o pai biológico. "Um dia ele morreu e ninguém me quis, daí fui para um orfanato."

O tempo passou, escreve a criança, até ele conhecer "dois pais homens que gostaram de mim, eles me adotaram e a partir desse dia eu fiquei muito feliz". 

Os pais, Marcelo e Fernando se emocionaram muito com a redação do filho. Ao mostrarem para outros membros da família, muitos choraram. 

Processo

Marcelo Pereira e Fernando Luiz Polidoro começaram a pensar em adoção no final de 2014 e foram atrás de informações para saber se, como um casal homossexual, não teriam problemas com isso. Descobriram que poderiam ir em frente e, em 2015, entregaram a documentação e esperaram um ano para serem habilitados. 

"No começo de fevereiro de 2016, fomos chamados para conhecer o João e outra criança", relembra Pereira. O casal estava disposto a adotar de uma a quatro crianças entre zero a oito anos. João, com dez, não se enquadrava, mas eles decidiram conhecê-lo mesmo assim - a outra criança desistiu. 

"Fomos até o abrigo no dia 12 de fevereiro, foi a primeira vez em que vimos o João", Marcelo e Fernando o levavam para passear e, depois, o deixavam no orfanato. No dia 9 de março, conseguiram a guarda provisória do menino. 

Aceitação

Tanto a família de Marcelo quanto a de Fernando acolheram João muito bem. Os dois afirmam que nunca sentiram preconceito por parte da família. "[Para ele] sempre foi tranquilo. A psicóloga [do abrigo] perguntou para ele se ele gostaria de ficar conosco, mesmo sendo dois pais, ele nunca teve problema", afirma Pereira. 

No primeiro dia em que conheceram João, os dois perguntaram para o garoto se ele teria problema em ter dois pais, e a resposta foi negativa. "Ele tem orgulho". De acordo com o pai, João é bem resolvido e o casal é muito aberto ao falar com ele sobre o assunto.

Nas escolas em que o menino estudou, a família teve ajuda da coordenação e das professoras para que ele se adaptasse bem. Pereira diz que uma vez uma colega perguntou se era verdade que João tinha dois pais e, ao receber a confirmação, respondeu: "que legal". "Criança, na verdade, não tem preconceito nenhum, quem tem preconceito é adulto", opina. 

Pereira ficou surpreso com a repercussão positiva da redação do filho. "Colocamos em um grupo no Facebook de adoção e de um dia para o outro viralizou, um monte de gente mandando mensagem nos parabenizando", relata. 

Preconceito

Em fevereiro de 2017, Marcelo e Fernando foram ao fórum de Ferraz de Vasconcelos dar um depoimento no curso de adoção. Lá, um senhor perguntou se o casal poderia influenciar João a ser homossexual. A resposta foi direta: "meus pais eram heterossexuais e eu nasci homossexual. Não é a influência dos pais que vai mudar a sexualidade da criança". 

Apesar do preconceito que sentiram nas redes sociais, a aceitação e os comentários positivos na redação de João foram maioria. "Há pessoas boas, mas sempre tem os que criticam - e não fazem nada para mudar", opina.

 

 

http://www.tribunadabahia.com.br/2017/03/16/adotado-por-casal-gay-menino-se-descreve-crianca-mais-feliz-do-mundo

 

 

 

Comente esta matéria
Título: Adotado por casal gay, menino se descreve "a criança mais feliz do mundo"
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
Não há comentários.