S�bado, 23 de Mar�o de 2019
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
STF vota fim da proibição de doação de sangue por homossexuais
Jovem é agredido e ameaçado de morte, em festa, por ser homossexual
Dragon Ball Super: Elenco fala sobre possibilidade de Whis e Bills serem gays
Doação de sangue e o Supremo: saúde e igualdade
Frota perde ação, diz que juiz é do movimento gay e “julgou com a bunda”

Violência física e mental fazem parte do cotidiano da comunidade LGBT

23/02/2015:

 

 O Revista Brasil desta sexta-feira (20) realiza uma mesa redonda para discutir sobre o assunto

 

Enquanto o Congresso brasileiro decide se homofobia é crime ou não, um pequeno município de Ceará pune homossexuais até com apedrejamento e chama atenção do Governo Federal.
 
Residências de homossexuais foram apedrejadas, pais ameaçam de morte os próprios filhos se eles se relevarem gays e até tortura psicológica contra o público de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis (LGBT). Esses casos ocorrem numa cidade do interior do Ceará, Itatira, um pequeno município de apenas 20 mil habitantes, a cerca de 212 quilômetros da Capital Fortaleza.
 
O Revista Brasil desta sexta-feira (20) propôs uma mesa redonda para discutir sobre o assunto. Foram convidados a advogada da Fundação Frei Tito da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará que acompanha os casos de agressões a gays em Itatira, Luanna Marley; a coordenadora-geral do Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Irina Bacci; e a ativista do Movimento de Lésbicas e de Direitos Humanos no Ceará, responsável pela elaboração de relatórios sobre agressões a gays em Itatira e que foram enviados para a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Alice Oliveira.
 
Para a coordenadora-geral Irina Bacci essa ausência de um marco legal no Brasil, para punir a discriminação contra a população LGBT, acaba causando uma série de consequências para estas pessoas. No entanto, as denúncias já foram encaminhadas para o órgão estadual que cuida das políticas LGBT no Ceará.


Ouça outras edições do Revista Brasil
 
Acompanhe esta mesa redonda no programa Revista Brasil, na Rádio Nacional de Brasília, com a mediação do jornalista Valter Lima.

Produtor
Joana Darc Lima

 

 

Fonte: http://radios.ebc.com.br

Comente esta matéria
Título: Violência física e mental fazem parte do cotidiano da comunidade LGBT
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
Não há comentários.