Segunda-feira, 22 de Abril de 2019
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
STF vota fim da proibição de doação de sangue por homossexuais
Jovem é agredido e ameaçado de morte, em festa, por ser homossexual
Dragon Ball Super: Elenco fala sobre possibilidade de Whis e Bills serem gays
Doação de sangue e o Supremo: saúde e igualdade
Frota perde ação, diz que juiz é do movimento gay e “julgou com a bunda”

Opinião: Você se incomoda com os gays?

19/02/2015:

 

Frank Bruni

 

Que mundo mudado esse em que vivemos. Que mundo avançado. O homem que amo e eu podemos nos casar em Nova York e em outros 35 Estados, se nos organizarmos o bastante, se decidirmos que queremos fazer votos em público e um bolo de festa --estou pensando em um bolo "devil's food", por uma série de motivos, para selar nosso compromisso.

Sou grato por isso. Na verdade, estou atordoado.

Porém, quando estamos andando pela rua depois de um longo jantar ou um filme triste e ele pega discretamente a minha mão, fico tenso. Olho em volta nervoso: tem alguém olhando? Observando? Sinto-me exposto, em perigo, e tenho razão para isso, mesmo aqui em Nova York, mesmo perto do meu apartamento no notoriamente liberal Upper West Side de Manhattan.

Há apenas dois anos e a dois quarteirões da minha casa, uma mulher embriagada que nos viu, gritou: "Então vocês são gays? Esses dois são gays!" Ela continuou gritando assim, pelo que pareceu uma eternidade.

Era a bebida falando, claro. Mas às vezes o álcool funciona como um soro da verdade, removendo o verniz da etiqueta para revelar a feiura por baixo dele.

Uma mulher heterossexual coloca uma foto sua com seu amado na mesa do escritório e isso é simplesmente decoração. Uma lésbica coloca o mesmo tipo de foto e isso é um ato de sinceridade louvável ou ousadia questionável: uma declaração, de qualquer forma que você veja. Ela sabe que os olhos de algumas pessoas se demorarão ali tempo demais ou desviarão de forma abrupta. Ela tem que decidir não se importar.

E um político que diz coisas horríveis e odiosas sobre gays e lésbicas ainda encontra uma recepção calorosa o bastante e bastante apoio em um dos dois nossos principais partidos políticos. O vencedor republicano da convenção de Iowa em 2012, Rick Santorum, disse que o casamento entre dois homens ou duas mulheres é tão parecido com o casamento entre um homem e uma mulher quanto uma árvore é parecida com um carro ou uma xícara de chá é igual a uma bola de basquete. Ele também colocou a homossexualidade e o incesto no mesmo bolo.

O mesmo fez Mike Huckabee, vencedor da convenção de Iowa em 2008. Ambos devem concorrer à nomeação para a disputa presidencial novamente, em um campo que provavelmente incluirá Ben Carson, que mencionou a homossexualidade e a bestialidade na mesma frase, e Ted Cruz, que recomenda orações fervorosas contra o que ele considera um ultraje que ameaça a sociedade: dois homens ou duas mulheres se casando.

Não espero que nenhum deles consiga a nomeação, em parte porque seu grau pronunciado e singular de mente fechada não cairá bem com o número de norte-americanos de cujo favor eles dependem. Um viva a isso.

 

Mas acho que, no caminho para a derrota, eles transformarão a nós, gays, em motivo de piada e sacos de pancada. Acho que vou ouvir e ver grandes audiências aplaudindo e incentivando os dois. É um espetáculo nauseante, se você prestar atenção.

Sarah Kate Ellis gostaria que você prestasse.

 

Ela é diretora da Glaad, um importante grupo de defesa dos direitos homossexuais, e ela e o grupo estão fazendo algo importante no momento. Eles estão tentando familiarizar os norte-americanos com a paisagem vasta e confusa além do punhado de questões políticas que fomentam a maior parte da cobertura midiática. Eles estão tentando estimar o território onde ainda é necessário um trabalho duro e ter certeza de que ele não seja ignorado.

 

"Queremos ter garantias de que o casamento seja visto como um marco, e não como a linha de chegada", disse ela. "Onde estão os corações e mentes dos norte-americanos?"

 

Para responder a essa pergunta, o Glaad encomendou uma pesquisa Harris Poll no final do ano passado. Eu pude dar uma primeira olhada nos resultados, que ressaltaram como os norte-americanos ainda se incomodam com pessoas gays, lésbicas e bissexuais --e, ainda mais que isso, com pessoas transgêneras.

Cerca de 30% das pessoas que responderam a pesquisa e não se identificaram como gay, lésbica, bissexual ou transgênero disseram que ficariam incomodadas em saber que seu médico ou o professor de seu filho se identificasse assim.

Perto de 45% disseram que ficariam incomodados em levar uma criança a um casamento entre pessoas do mesmo sexo. Trinta e seis por cento se sentem desconfortáveis ao ver um casal de mesmo sexo de mãos dadas.

E essas porcentagens provavelmente maquiam a verdade. Os entrevistadores descobriram que as pessoas normalmente dizem o que acham que devem dizer em vez daquilo que elas realmente sentem.

 

Seus sentimentos, em todo caso, são mistos e estão evoluindo. A pesquisa da Glaad é apenas a mais recente a capturar isso. Em uma pesquisa realizada pouco mais de um ano atrás pelo Public Religion Research Institute, 52% dos entrevistados disseram que sexo entre dois homens ou duas mulheres é moralmente errado.

Uma descoberta especialmente interessante na pesquisa da Glaad foi o tanto de incômodo que ainda existe mesmo entre os entrevistados que aprovam formalmente o casamento gay ou as uniões civis com benefícios plenos. Entre essas pessoas, 20% disseram que, apesar disso, se sentiriam incomodadas de comparecer a um casamento entre pessoas de mesmo sexo.

 

O que pode mudar isso, além da passagem do tempo?

 

Não há solução ou estratégia definitiva, mas Ellis enfatizou a importância de fazer com que as pessoas heterossexuais que estão totalmente confortáveis com os gays sejam mais assertivas em relação a isso --mais evangelizadoras, por assim dizer-- e reconheçam que a educação e a iluminação do país estão incompletas. A Glaad está concentrando suas energias nisso, com uma nova campanha chamada "Got Your Back" [algo como "Estou contigo"].

 

Há muita dor e loucura por aí, até hoje: um casal gay contou que seus filhos não são bem-vindos em uma escola particular; gays e transgêneros são feridos em crimes de ódio; adolescentes sofrem 'bullying' ou tiram a própria vida. Esse tipo de injustiça não se extinguirá por nenhuma decisão iminente do Supremo Tribunal sobre o casamento entre pessoas de mesmo sexo. Tampouco uma decisão como esta mudará o fato de que a maioria dos Estados nunca promulgou leis protegendo os gays de discriminação no trabalho.

 

Uma lei federal para isso finalmente foi aprovada no Senado no fim de 2013, quando a Casa era controlada pelos democratas, mas a Câmara liderada pelos republicanos nunca se preocupou em votar a lei. E não há como o atual Congresso enviar algo do tipo para o presidente Barack Obama assinar.

Eu nunca perco a perspectiva do quanto esse país avançou. Meu alívio normalmente supera o meu rancor. Mas celebrar ou cair na complacência é grosseiramente prematuro e é errado, porque eu tenho todo o direito de andar nas ruas do meu bairro sem medo, não importa quem esteja com os dedos entrelaçados com os meus.

 

Nossas mãos dadas não são um insulto ou uma provocação. É apenas uma expressão de carinho, de humanidade básica. Em um mundo mudado e avançado o bastante, isso seria uma parte inofensiva e despercebida do cenário.

 

 

Fonte: http://noticias.uol.com.br

Comente esta matéria
Título: Opinião: Você se incomoda com os gays?
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
19/02/2015 11:42: Rogerio Affonso - RJ
Não me incomodo com Gays. Me incomodo com pessoas que querem marginalizá-los para depois ainda usar as suas estampas como algo objeto de deboche. A hipocrisia dos condenadores que ainda gracejam às custas dessa rejeição.