Terça-feira, 19 de Setembro de 2017
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
Tanzânia realiza prisão em massa de pessoas acusadas de serem homossexuais
Famosos se revoltam e ironizam decisão da Justiça sobre homossexualidade: Doença
Anitta se emociona ao falar sobre a ‘cura gay’
Justiça permite que psicólogos pratiquem a 'cura gay'; Conselho recorrerá
Por que não tentamos tratar pedófilos em vez de homossexuais?

Proprietário de boate gay em Maringá acusa PMs de homofobia

25/07/2011:

 

  • Rubia Pimenta

 

O sócio-proprietário da boate gay Stravanganza, Leandro Aparecido da Silva, de 29 anos, e outras duas garotas lésbicas, registraram denúncias junto ao 4º Batalhão da Polícia Militar, nesta segunda-feira (18), relatando que dois oficiais da corporação os teriam agredido verbalmente por serem homossexuais. A situação teria ocorrido na última sexta-feira (15), por volta das 15h, na Praça Raposo Tavares, Centro de Maringá.

 

Segundo Leandro, os três estavam sentados na praça, após sair do sepultamento de um amigo, quando a viatura dos policiais chegou e os oficiais iniciaram uma revista.

 

"Quando eles perceberam que se tratava de garotas, os policiais a insultaram, falando que era para elas tomarem vergonha na cara e se vestirem como mulheres", conta o empresário. As duas jovens, de 18 e 24 anos, vestiam camiseta, calça jeans e boné. Uma delas possui o cabelo curto.

 

Em seguida, os policiais teriam questionado a profissão dos integrantes do grupo. "Quando uma das garotas contou que trabalhava em um lava a jato, um deles disse 'essa é macho mesmo, tem até profissão de homem"', afirma Silva.

 

Conforme o empresário, um dos policiais o teria ofendido enquanto o revistava. "Ele disse "bom, se elas são os homens, você com certeza é a mulher"', relata.

 

Logo após, os policiais iniciaram a revista também nas meninas, infringindo a legislação, que prevê que apenas policiais femininas podem revistar mulheres. "Eles disseram que já que as meninas se vestiam igual homem, iam tomar batida igual homem", conta.

 

 

Divulgação

 

O empresário Leandro Aparecido Silva: "Foi uma situação
muito humilhante"

 

Silva relata que os policiais só foram educados após ele dizer que era professor de português e sócio-proprietário da boate Stravaganza. "Não questiono a batida, pois é trabalho dos policiais fazer isso, mas eles foram extremamente autoritários e preconceituosos. É difícil aceitar tal situação", afirma.

 

 

O empresário, um dos líderes do movimento gay na cidade, se entristece com o fato. "Há um mês fizemos a caminhada anti-homofobia, que terminou na Praça Raposo Tavares, e foi justamente neste local que passei uma das situações mais constrangedoras da minha vida", ressalta.

Investigação

 

Segundo o tenente Cláudio Rocha, do 4º Batalhão da PM, um processo administrativo foi aberto e a situação está sendo investigada. "Vamos ouvir os oficiais envolvidos e também as testemunhas", afirma. Ele diz que, se comprovada a denúncia, o caso será encaminhado para a Justiça Militar.

 

O tenente ressalta que tal procedimento é repugnado pela corporação. "A Polícia Militar condena atos de homofobia e não compactua com qualquer tipo de discriminação. Se isso aconteceu, foi uma atitude isolada desses policiais. Desconheço qualquer outra situação semelhante na história do nosso batalhão", ressalta Rocha.

 

O Diário.com

 

Comente esta matéria
Título: Proprietário de boate gay em Maringá acusa PMs de homofobia
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
25/07/2011 10:47: Nilton - DF
É uma pena, mais um caso que vai ficar impune, a discriminação e a homofobia estão no cerne do militarismo e conservadorismo no Brasil. A justiça militar proteje os homofóbicos por meio de amparos legais.
 
27/07/2011 16:29: Willians - SP
nesta droga de cideda de maringa nao existe politicas publicas, onde tem dois idiotas de PM,que deveria proteger o povo maringaense, trata mal as pessoas dai, agindo com desrepeito, espero que por causa desses dois nao suje a imagem da corporaçao nem mesmo a cidade e a policia dai, maringa aqui em sao paulo, tem uma otima reputaçao, nao so aqui como nas grandes cidade, considerada a decima melhor cidade de se viver,indice alto de desenvolvimento humano, isto e lamentavel para os maringaense, e aos olhos de quem esta do lado de fora.. direitos humanos dai politicos nao vao fazer nada se move.. age povo dai. nao deixe isso ficar assim, espero consigam achar soluçao neste problema, ate mais.