Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
STF vota fim da proibição de doação de sangue por homossexuais
Jovem é agredido e ameaçado de morte, em festa, por ser homossexual
Dragon Ball Super: Elenco fala sobre possibilidade de Whis e Bills serem gays
Doação de sangue e o Supremo: saúde e igualdade
Frota perde ação, diz que juiz é do movimento gay e “julgou com a bunda”

PM não descarta participação de militares em atentado no RJ

17/11/2010:

 

RIO DE JANEIRO - Apesar de o Comando Militar do Leste negar a participação de militares no atentado contra um estudante que participou da Parada Gay, no último domingo (14), no Rio de Janeiro, a Polícia Civil não descartou essa possibilidade. Foi o que afirmou, nesta terça-feira (16), o delegado Fernando Veloso, titular da delegacia do bairro do Leblon (zona sul da cidade), onde o caso foi registrado. “A investigação é recente, começou agora. Por enquanto, a gente não pode eliminar nenhuma possibilidade”, disse Veloso.

O delegado confirmou o envio de um ofício ao Exército solicitando a relação completa dos militares que estavam de serviço no último domingo no Forte de Copacabana, que fica próximo ao local onde o estudante foi baleado. Além da presença dos oficiais com a lista, prevista para a próxima quinta-feira (18), Veloso também espera o comparecimento da vítima "para tentar fazer o reconhecimento, por foto, do suposto autor”.

Em nota, o Comando Militar do Leste negou que militares tenham dado tiros no dia do incidente. Informou ainda que não há patrulhamento fora da área militar do Forte de Copacabana e que o Exército não utiliza uniformes azuis, descritos pela vítima como sendo a cor predominante dos uniformes dos agressores.

O rapaz, que estava com dois amigos, foi baleado nas pedras da Praia do Arpoador, entre Copacabana e Ipanema. Parentes informaram à polícia que o grupo foi abordado por militares uniformizados e que um deles, por discriminação sexual, teria disparado tiros contra o jovem. Uma equipe da Polícia Civil esteve hoje no local para procurar as cápsulas das balas disparadas, mas nada foi encontrado.

O superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria Estadual de Direitos Humanos do Rio, Cláudio Nascimento, disse que tudo leva a crer em crime homofóbico. “A denúncia é clara, o jovem relata que sofreu homofobia, toda a abordagem, segundo ele, foi homofóbica”, disse Nascimento.

A orientação para os homossexuais vítimas de qualquer tipo de violência é que denunciem. O telefone 0800 023 4567 é um serviço gratuito para denúncias de homofobia. De acordo com ele, são recebidas, em média, duas denúncias de violência contra homossexuais por dia no estado do Rio.

 

DCI


 

Comente esta matéria
Título: PM não descarta participação de militares em atentado no RJ
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
Não há comentários.