Diocese em Madrid oferece terapia para quem quer deixar de ser homossexual

0

A diocese de Alcalá dispõe de cursos para “curar” a homossexualidade. Alegada terapeuta não é reconhecida pelo Colégio Oficial de Psicólogos. Autoridades de Madrid já estão a investigar.

As autoridades de Madrid estão a investigar os cursos, disponibilizados pela diocese de Alcalá, para “curar” a homossexualidade. A investigação levada a cabo pelo eldiario.es mostrou como tudo se processa, desde a “ajuda e orientação” oferecidas até à psicóloga que leciona as aulas, não é reconhecida pelo Colégio Oficial de Psicólogos espanhóis e recomenda que os alunos “deixem de ver pornografia”.

(Vídeo da chamada telefónica entre um jornalista do eldiario.es e a alegada psicóloga, responsável pela terapia na diocese)

A terapia é realizada dentro da diocese de Alcalá, um município na capital espanhola. Os documentos enviados ao jornalista responsável pela investigação, e que antecedem a sessão de terapia, dão a entender que a homossexualidade se deve à falta de cultivo da masculinidade, provocada por uma má relação com os pais ou abusos sexuais. “Em todo o processo de maturação pessoal aconteceram relações, atos, ausências, sofrimentos, traumas… Que produziram feridas no nosso ser. Haverá complexos, carências e experiências que fazem com que procures e te compares a outros rapazes”, disse a psicóloga ao jornalista.

Sobre a polémica, a diocese diz que “não renuncia a acolher e acompanhar as pessoas que a solicita livremente” e entende que tudo se trata de difamação da imprensa, como se pode ler no comunicado. O bispo responsável por esta diocese, Juan Antonio Reig Pla, é já conhecido pelas ataques homossexuais e a mulheres. O bispo já vinculou a homossexualidade à prostituição, desejando que “encontrassem o inferno” e até escreveu uma carta aberta no site da diocese em que dá a entender que os homossexuais são mais “vulneráveis” a tornarem-se pedófilos.

A lei da Comunidade de Madrid prevê “a promoção e realização de terapias deconversão ou reconversão com a finalidade de modificar a orientação sexual ou identidade de género de uma pessoa” como uma infração muito grave. As infrações muito graves podem resultar em multas entre os 20 mil e os 45 mil euros e “a proibição de aceder a qualquer tipo de ajuda pública da Comunidade de Madrid por um período de até três anos”.

Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Observador.pt

Compartilhar.

Sobre o Autor

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Athosgls 21 anos fazendo a diferença na comunidade LGBT Mundial. Marca registrada.