Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Celebridades LGBT
Filmes/Séries LGBT
Garotas x Garotas
Jurídico
Notícias / artigos LGBT
Pais e Filhos LGBT
Religião
Travestis e Trans
Ultimas Notícias
Videos Lés

Celebridades LGBT

Outras notícias
Atriz de The L Word voltará a interpretar lésbica na série The New Normal
5 atrizes (assumidamente) lésbicas nos seriados de TV
Ator gay critica hipocrisia da Igreja Católica
Marcs Jacobs deve assumir a Dior
Google faz homenagem à Fred Mercury

A “Voz” das vozes Joe Welch

27/09/2007:

 

 

 

 

 

 

 

 

Por: Henrique D´Agostino

 

 

 

Muitos admiram seu trabalho e seu carisma. Não é de hoje que a cantora Joe Welch faz sucesso por onde passa. Em nossa entrevista exclusiva, descobrimos que a diva gay tem Jesus Cristo como ídolo e que no passado já foi homofóbica. Ficou assustado? Não é para tanto. O simpático bate-papo explica e segue com mais curiosidades da talentosa beldade.

 

Conte como e onde começou sua carreira

 

Como cantora, no susto! (risos). Pediram para eu gravar uma trilha sonora de uma peça infantil que eu fazia parte. Fui chamada para fazer um teste de “backing vocal” uma banda de ópera dance que se chamava “Dood Dad”. Passei e fiquei, mas acabei virando parceira, não mais “backing”.

 

Você está em seu melhor momento?

 

Ainda falta. Claro que falta sempre. Tudo é uma eterna busca, mas com certeza é um momento muito bom, de reconhecimento e conquista, de muitas outras coisas dentro do meu ideal. Mas estou chegando, estou chegando...

 

Seu disco sai ou não sai?

 

Sai sim. Só não tenho uma previsão de data. Estamos em fase de capitação de patrocínio para concluir a gravação do CD, o que vai acontecer rapidinho, se Deus quiser e ele quer.

 

Você já foi atriz, bailarina e é formada em artes plásticas. Por que escolheu a carreira de cantora? Pensa em algum dia desistir?

 

Creio que a música me pegou de jeito e veio para ficar, sem dúvida. Acho que não fui eu quem escolheu a música e sim, ela que me escolheu. Mesmo em meio às dificuldades que um dia passei, afinal viver de música no Brasil não é fácil, me encontrei. Sou feliz cantando e agradeço a Deus por isso todos os dias.

 

Sua agenda está lotada e você faz uma ponte entre a capital paulistana e o interior de São Paulo. Você viaja para outros lugares? Já cantou fora do Brasil?

 

Sim, viajo bastante. Tenho um amigo que chama meu carro de “carro-armário”, por eu levar tantas equipamentos, figurinos e outras coisas nele (risos). Já fiz shows em vários lugares do Brasil como Brasília, Mato Grosso, Paraná e outras cidades do Sul, mas ainda não fui a trabalho para fora do país.

 

Você é bem querida por onde passa. Qual sua relação com seus fãs?

 

A mais próxima possível. E tem muita gente que hesita em chegar, às vezes por achar que eu seja fresca ou qualquer coisa do gênero. Mas na hora que nos conhecemos, tornamos próximos e todos acabam perdendo esta impressão. Acabo tendo amizade com a maioria deles. Não sou estrela, nem um pouco. Somos todos iguais, ué. Sou beeem acessível! (risos).

 

Seu público é majoritariamente gay. Desde sempre foi assim? Por que eles são seus fiéis?

 

Tenho um público HT bem grande também, mas com certeza a maioria dos gays se identifica com meu trabalho. Tudo foi gradativo. Comecei cantando por acaso num pub GLS para substituir uma cantora. Desde então, canto lá até hoje. Acredito que seja porque eu faço um trabalho bem semelhante ao das grande divas norte-americanas, que os gays adoram. E como existem poucas que optaram por este estilo no Brasil, acabei conquistando seguidores. Muita gente acabou curtindo pelo estilo de música, de voz, palco. Acho que é isso.

 

Certa vez ouvi uma história bagunçada sobre um relacionamento amoroso que você teve. Se for verdade, como foi passar por aquele momento e qual a principal lição que tirou de tudo isso?

 

Hoje digo que Deus me deu um pontapé para acordar. Tive um relacionamento bem duradouro há muitos anos e depois descobri que ele era homossexual. Foi muito difícil para mim. Vi que não tinha como competi e sofri horrores. Depois disso, me tornei homofóbica. Mas o destino é tão perfeito que todos os acontecimentos seguintes na minha vida profissional me fizeram conviver diariamente com gays e isso me ensinou a viver. Bom, no final das contas este antigo namorado é dos meus melhores amigos até hoje e para melhorar a história, dou defensora da bandeira GLBT por onde quer que eu vá. Foi ou não foi um pontapé que o Papai do céu me deu? (risos).

 

Qual seu ritual básico de beleza?

 

Durmo muito quando posso. Uso cremes todos os dias e como amo “make up” tenho me policiado um pouco com o rosto, afinal de contas depois dos 30 temos que nos cuidar um pouco mais. E para finalizar dou muita risada. Estar bem comigo mesma é o melhor remédio!

 

Quem é seu ídolo?

 

Jesus Cristo.

 

Joe Welch está apaixonada?

 

Claro que estou. Pela vida, pelo trabalho, pela música, meus cães. Mas como sei que a curiosidade grita, pelo meu noivo Kleber também (risos).

 

 

RAPIDINHA COM JOE WELCH

 

Cidade Natal: Campinas

Um presente: A música e o amor por animais

A noite: Para dormir, não. Para TRA-BA-LHAR

Dinheiro: Quero muito, muito, muito!

Paz: Um sonho para a humanidade tornar real.

Uma música: Duas: THE BEST – Tina Turner e AND I ´M TELLIN´YOU I´M NOT GOING – Jennifer Holiday

Um livro: O Segredo, Rhonda Byrne

Um sonho: Meu sucesso profissional e minha fazenda para animais abandonados. E um bebê, claro (risos).

 

Redação Athosgls

 

Comente esta matéria
Título: A “Voz” das vozes Joe Welch
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
28/02/2008 17:44: thiago de araujo - SP
vc e de mais linda que deus ilinime seu caminhos....
 
02/01/2009 20:14: Ângelo - SP
Genial. Te amo Joe