A cena LGBT na tela grande

0

Com direção de Rafael Botta e narração de Nany People, documentário “Como Somos” ganha espaço em exibição especial gratuita, hoje, às 20.

Ana Beatriz Garcia

Após 10 anos em São Paulo, o retorno a Bauru trouxe alguns questionamentos para Rafael Botta sobre a cena LGBT na cidade. Depois de se formar em Rádio e TV, o bauruense passou seis anos trabalhando com produções cinematográficas e “Como Somos” é seu quarto projeto que estreará na cidade. A sessão especial do documentário será nesta sexta-feira (31), às 20h, no Cine’n Fun do Alameda.

“Todas as minhas produções eu fiz questão de estrear em Bauru. Essa exibição é única e especial, porque o material será posteriormente editado para apresentação em festivais e televisão”, afirma o diretor da obra.

Com 1h27 de duração, o longa metragem conta a história da comunidade LGBT da cidade a partir de 33 relatos que começam em meados dos anos 80, passando por assuntos polêmicos como a cura gay, o cancelamento da décima edição da Parada da Diversidade, em 2017, saúde, educação, política e o que se espera do futuro.

“Quando começamos nosso trabalho de pesquisa, percebemos que Bauru não tinha um registro histórico da cena gay na cidade. Essa é a proposta desta produção, contextualizar como era a cena em Bauru da década de 80 até os dias atuais. Espero, inclusive, que esse seja o primeiro de outros, para que se atualize sempre”, destaca.

FORA DA CAPITAL

A ideia de Botta surgiu durante o show principal da 9.ª Parada da Diversidade, em 2016, meses após retornar para Bauru.

“Eu comecei a perceber que as pessoas ali estavam mais atentas à festa do que à discussão política sobre o que este ato cívico significa. O que me preocupou e fez com que eu quisesse fazer um trabalho sobre isso, principalmente, pra conscientizar a própria comunidade LGBT que existe algo de errado no próprio meio”, destaca.

Mas foi somente em 2017, a partir do Programa Municipal de Estímulo à Cultura, que o diretor começou a produção do documentário. “As primeiras filmagens foram no Encontro da Diversidade no ano passado. Foi exatamente um ano de processo”, diz.

Já o nome “Como Somos” é uma alusão à uma boate gay existente em Bauru com o nome de “comossomos”. “Fizemos essa referência. Mas o nome não deixa de exprimir a ideia de ”como somos’, de como é ser LGBT fora das grandes capitais”, explica.

A VOZ DE BAURU

A narrativa do documentário é contada do ponto de vista da cidade de Bauru, que fala como a as coisas foram acontecendo dentro dela. Quem dá voz à cidade é a atriz transexual Nany People.

“Ficamos em um impasse de que voz escolher. Por ser Bauru, não poderia ser uma voz muito nova, mas também não muito velha. Não queria uma voz nem muito masculina e nem muito feminina. Quando chegamos na Nany, foi perfeito. Um amigo em comum fez essa ponte e ela adorou a proposta, veio a Bauru para gravar e foi muito solícita”, conta Botta.

RESUMINDO

Antes, portanto, de embarcar em festivais de cinema, “Como Somos” será exibido no Cine’n Fun do Alameda Quality Center às 20h desta sexta-feira (31).

A iniciativa terá entrada gratuita, mas, para garantir o ingresso, a recomendação é de que o público chegue cedo. A entrega começará às 19h e há limite de dois por pessoa.

Após a exibição, ainda haverá bate papo com a equipe do filme para falar sobre o processo de produção do longa metragem.

Na equipe estão: Rafael Botta, Luizinho Campana Jr., Karin Silva, Fábio Moraes, Tiago Rosa, Allan Nunes, Sérgio Gag e Wellington Darwin. O filme é produzido pela Cx2Filmes, em coprodução com DGT Filmes (São Paulo) e ProClipe (Bauru).

SERVIÇO

O Alameda Quality Center fica na rua Luiz Levorato, 1-55, na altura do quilômetro 335 da rodovia Marechal Rondon (SP-300), em Bauru.

Divulgação
Cenas do documentário: exibição especial ocorre nesta sexta-feira (31)

 

 

 

 

 

https://www.jcnet.com.br/Cultura/2018/08/a-cena-lgbt-na-tela-grande.html

Compartilhar.

Sobre o Autor

Comments are closed.