“Bruxas” lésbicas acorrentadas e violadas pelas famílias nos Camarões

0

“Curas”, feitiços, rituais de purificação com sangue e pimenta no ânus, violações. “A violência anti-LGBT+ é cada vez maior” nos Camarões e noutros países africanos.

Durante um serviço religioso num domingo sombrio, Viviane, de 14 anos – cansada de lutar contra a sua atracção sexual por raparigas – resignou-se a uma conclusão infeliz: estava enfeitiçada.

Na escola e na igreja na capital dos Camarões, Iaundé, sempre lhe disseram que gostar de alguém do mesmo sexo não só era pecado, mas que também podia ser um sinal de que um terrível feitiço teria sido lançado sobre ela.

“Eu não via as raparigas como os outros as viam – pensava que um espírito mau me possuíra”, disse pelo telefone à Thomson Reuters Foundation, com um riso pesaroso, desde França, onde procurou asilo no ano passado com a ajuda da sua namorada.

“Então comecei a rezar para que desaparecesse.”

Mas as orações falharam. Quatro anos depois, Viviane foi acorrentada à parede e violada violentamente pelo homem com quem a sua família a obrigou a casar, depois de descobrirem que era lésbica.

Desde a África do Sul à Índia e Equador, os homossexuais são submetidos a “violações correctivas” pelas suas famílias, estranhos e “justiceiros” que acreditam que a homossexualidade é uma doença mental que precisa de ser “curada”.

Por vezes, as violações acontecem escondidas na escuridão ou quando o ruído da chuva nos telhados de metal é tanto que disfarça os gritos, disseram à Thomson Reuters Foundation homossexuais dos Camarões.

Outras vezes, são orquestradas por familiares que muitas vezes fazem cumprir a lei por si próprios, torturando, violando e assassinando familiares homossexuais que pensam ser bruxos ou estar amaldiçoados.

Acreditar em bruxaria é comum nos Camarões. Apesar de ser ilegal praticar magia negra, as autoridades pouco fazem para impedir as famílias de recorrer a feiticeiros que fazem sacrifícios para “curar” a homossexualidade dos seus familiares.

As relações entre pessoas do mesmo sexo são tabu em África, continente que tem algumas das leis mais proibitivas em relação à homossexualidade no mundo inteiro. Os homossexuais são frequentemente chantageados, agredidos e/ou violados. O castigo penal pode ir desde a prisão à morte.

Presos por dizerem “amo-te”

Um relatório feito em 2017 pela Associação Internacional Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo concluiu que 33 dos 54 países africanos criminalizam as relações entre pessoas do mesmo sexo.

Nos Camarões, os actos homossexuais podem levar a uma pena de prisão de cinco anos. Entre 2010 e 2014, pelo menos 50 pessoas foram condenadas por crimes desde vestir-se como o sexo oposto a homens que enviaram mensagens de texto a dizer “amo-te” a outros homens, de acordo com a Camfaids, uma associação de defesa dos direitos LGBT+.

“A violência anti-LGBT+ é cada vez maior”, disse Michel Engama, presidente da Camfaids, cujo antecessor, Eric Ohena Lembembe, foi encontrado morto em 2013, com o pescoço partido e a cara queimada por um ferro, de acordo com a Human Rights Watch.

No ano passado, registaram-se quase 600 ataques e infracções homofóbicas, com uma em cada cinco lésbicas e um em cada dez homossexuais a denunciar que foram violados, de acordo com a Humanity First Cameroon, uma organização LGBT+ a que pertencem várias associações.

Os activistas dizem que provavelmente a dimensão do problema é muito maior, uma vez que muitos ataques não são denunciados.

Purificação

Viviane foi agredida e chicoteada pela família depois de terem descoberto mensagens explícitas que enviara à sua namorada.

A sua tia e irmãos levaram-na depois para a aldeia onde viviam para que a curandeira local a pudesse obrigar a beber misturas feitas a partir de sangue de galinha e inserir pimenta quente no seu ânus, dizendo que fazia parte de um ritual de “purificação”.

Encontrar um marido que era pastor da igreja foi uma oportunidade de limpar o nome da família, disse. O facto de ele ter duas esposas e ter mais de 30 anos nem foi tido em consideração.

“Não houve discussão sequer”, disse, acrescentando que a família recebeu o dote ainda antes de a informarem do acordo. “Para eles, eu era como um simples colar que iam vender.”

Apesar de as violações serem crime nos Camarões, não há dúvida de que o seu marido nunca seria acusado, diz Viviane.

“Nos Camarões, um pastor é como um deus. Deus não pode violar. E se o acusares de violação, és o diabo”, afirma.

Enquanto Viviane achou que a sua melhor hipótese era fugir dos Camarões, Frederique optou por falar sobre a sua experiência, depois de ter sido violada em grupo em 2016, após uma acção de formação LGBT+, em Yaoundé.

Foi violada pelo motorista de um táxi, que parou para apanhar outro homem e a levou para uma parte deserta da cidade, onde ambos a violaram, provocando-a ainda com acusações sobre ser lésbica e uma bruxa.

“Gritavam que eu merecia este castigo, que estavam a corrigir-me”, disse a mulher de 33 anos, que já contou a sua história a centenas de raparigas em acções de formação para a consciencialização para a saúde sexual e LGBT+ nos Camarões.

“Se tivesse denunciado, não me teriam visto como vítima, mas sim como alguém que merecia o que lhe aconteceu.”

Frederique acredita que a sua decisão de contar o que aconteceu lhe salvou a vida. “Tive uma amiga que também foi violada e ela sentia-se sozinha, isolada, deprimida. Tentou matar-se”, afirma, enquanto tenta não chorar.

“Pensei fazer o mesmo… Mas também estava zangada. Não queria que mais nenhuma rapariga passasse por isto, que fossem vítimas como eu. Queria denunciar os agressores para que isto parasse.”

Viver em segredo

Não é fácil, diz. Nos Camarões, as lésbicas vivem em segredo e com receio todos os dias, comunicando com nomes de código e mudando frequentemente os seus pontos de encontro.

“Continuamos a lutar, mesmo que sejamos duplamente discriminadas. Primeiro como mulheres e depois como lésbicas”, diz.

Mas Engama, da Camfaids, sabe que tais precauções podem não ser sinónimo de segurança, lembrando o caso de Kenfack Tobi Aubi Parfait, de 20 anos, que no mês passado foi espancado até à morte pelo seu irmão que pensava que ele era gay.

“Existe realmente uma guerra contra nós”, sublinha Engama, que recebe com regularidade ameaças de morte.

“Mas iremos lutar até que se cansem… Ninguém nos dará liberdade. Temos de conquistá-la.”

https://www.publico.pt/2018/10/02/mundo/noticia/bruxas-lesbicas-acorrentadas-e-violadas-pelas-familias-nos-camaroes-1845996

Compartilhar.

Sobre o Autor

Comments are closed.